_coloquio_teatro_sociedade_logo2.jpg

24-28 de maio

novidade

O encerramento do colóquio teatro e sociedade: novas perspectivas da história social do teatro será especial! Denise Fraga conversará com Tania Brandão, Elza de Andrade e Henrique Gusmão sobre a formação do artista. Não percam!

_coloquio_teatro_sociedade_denise_fraga2
 

sobre

O colóquio teatro e sociedade: novas perspectivas da história social do teatro é uma iniciativa do Grupo de Pesquisa História do Teatro Brasileiro, grupo cadastrado no CNPq, que reúne pesquisadores de várias regiões do país e é coordenado por Elza de Andrade e Tania Brandão. Através deste colóquio, buscamos divulgar e aprofundar as discussões recentes que articulam a produção teatral e a vida social, próprias de um campo que vem se desenvolvendo de modo muito produtivo no Brasil e no exterior nos últimos anos.

A partir de um enfoque a um só tempo conceitual e metodológico, três eixos de discussão serão privilegiados:

Untitled.png

- a relação do teatro com a imprensa, universo que engloba um vasto acervo de fontes;

- a construção social da figura dos atores, talvez a força motora maior da cena teatral;

- a produção dramatúrgica no interior das dinâmicas sociais, lugar ideal para a percepção das variações históricas recentes da arte.

1. Marília Pêra, Brincando Em Cima Daquilo, de Dario Fo e Franca Rame, direção Roberto Vignatti, 1984. Acervo Tania Brandão, RJ.

 
 
 
 
Uma das fachadas do teatro Serrador.jpg

2. Fachada do Teatro Serrador, Cinelândia, palco da Cia Eva e Seus Artistas, 1944. Acervo Coleção Marcelo Del Cima, RJ.

atividades

Grande Othelo, Pedro Dias... revista.jpg

3. Teatro de revista, Teatro Recreio, s.d., detalhe da maquiagem dos atores; em destaque, Pedro Dias, segundo da direita para a esquerda, e Grande Othelo, acervo FUNARTE/ Centro de Documentação e Pesquisa

minicurso

O minicurso promovido pelo colóquio – voltado para pesquisadores, artistas, produtores e interessados pela temática do evento de maneira geral – tratará de um tema nevrálgico para as discussões das relações entre teatro e sociedade: a produção teatral. A ótica da produção permite que se coloque em relação diferentes dinâmicas sociais com o fazer teatral, permitindo uma visão da especificidade socioeconômica da arte hoje e em tempos passados. Para coordenar o encontro, está confirmada a presença da Profa. Dra. Deolinda Vilhena.

Deolinda.jpg

Deolinda Vilhena é mestre em Artes pela Escola de Comunicações e Artes da USP; mestre e doutora em Teatro e Artes do Espetáculo pela Université de la Sorbonne Nouvelle – Paris 3, com tese sobre o modelo de produção do Théâtre du Soleil. Realizou seus estudos pós-doutorais na Universidade de São Paulo e na Université Paris Ouest Nanterre La Défense. É professora da Escola de Teatro da Universidade Federal da Bahia e membro permanente do PPGAC (Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas) desta mesma universidade. Desenvolve pesquisas na área de produção, administração e gestão teatral, festivais, formação e qualificação dos profissionais na área da cultura e educação artística.

Dia 25/05, das 10 às 13h

INSCRIÇÕES ENCERRADAS

seminário

O seminário de discussão de pesquisas em andamento reunirá pós-graduandos dedicados a temas afins ao evento, possibilitando o amadurecimento de seus trabalhos e o contato com uma rede de especialistas. Os pesquisadores selecionados para compor o seminário deverão produzir um texto enfocando algum aspecto de sua pesquisa (em andamento ou já finalizada), o qual será aberto ao debate pelo Prof. Dr. Diógenes Maciel. Após o colóquio, os textos apresentados serão divulgados numa publicação em formato e-book. 

IMG-20201220-WA0023.jpg

Diógenes Maciel é doutor em Literatura Brasileira pela Universidade Federal da Paraíba e, desde 2007, atua como professor da Universidade Estadual da Paraíba, onde ministra aulas de Literatura Portuguesa e Brasileira. Desenvolve pesquisas em dramaturgia e história do teatro (especialmente o do Nordeste do Brasil), oferecendo atenção especial aos seguintes temas: cultura popular, regionalismo nordestino e produção de teatro em cruzamento com outras artes. É autor de “Lourdes Ramalho em cena: modernidade teatral, dramaturgia e regionalidade” (EDUEPB, 2019).

Dias 25/05, das 14 às 17:30h,

e 28/5, das 10 às 13h e das 14 às 17:30h

INSCRIÇÕES ENCERRADAS

mesas de discussão

As mesas de discussão promovidas pelo colóquio reunirão pesquisadores de diferentes áreas que, por perspectivas próprias, dedicam-se à reflexão sobre a relação entre teatro e sociedade. Cada uma das mesas privilegiará um tema de impacto na área. Verifiquem, abaixo, as propostas de cada uma das mesas de discussão.

MESA 1   Teatro, imprensa e composição do público

A utilização da imprensa como fonte e objeto em si da pesquisa em teatro se consolida na medida em que pesquisadores de inúmeros campos ampliam a perspectiva temática de suas análises, pautando-se por orientações teóricas diversificadas e procedimentos metodológicos que buscam nos periódicos o palco e a sua relação com a sociedade. A mesa também procura chamar atenção para dinâmicas de circulação de artistas, ideias, modelos estéticos e projetos de estruturação do corpo social, assim como o encadeamento entre o teatro e seu público, por meio de sua capacidade comunicativa no âmbito das sociabilidades.

 

Integrantes

Valmir Aleixo (FCRB) – coordenador da mesa

Monica Velloso (FCRB)

Orna Levin (Unicamp)

Thiago Herzog (Unirio)

Dia 24/05, das 15 às 18h

MESA 2   A construção da figura dos atores no mundo social

A renovação recente dos estudos e pesquisas em História do Teatro determinou a conquista de uma visão transformada da trajetória dos atores, além da simples biografia, da mera enumeração ou descrição de suas obras e do inventário singelo de seus métodos de trabalho. Os atores constroem as suas figuras no mundo social, atitude que afeta as suas trajetórias e os seus trabalhos. Assim, História, sociedade e atores surgem em tramas articuladas, sugerem a possibilidade de situar a arte em  totalidades orgânicas.

 

Integrantes

Tania Brandão (Unirio) – coordenadora da mesa

Jussilene Santana (Unirio)

Neyde Veneziano (Unicamp)

Luis Artur Nunes (Unirio)

Dia 26/05, das 15 às 18h

(2006) - ''Sweet Charity''.png
Martire.jpg

4. Página teatral de A Noite, 12/4/1954, padrão da época de jornalismo teatral. Reportagem sobre a estreia de O Mártir do Calvário, com a menina atriz Marília Pêra. Hemeroteca Digital, Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro.

5. Claudia Raia, Sweet Charity, foto de divulgação. Acervo Tania Brandão, RJ.

MESA 3   A construção dramatúrgica em tensão com seu tempo

A produção de dramaturgia, desde a Antiguidade, é uma atividade que muito evidentemente se vincula a práticas e estruturas sociais. Se, por um lado, é possível pensarmos como os textos escritos para serem levados para os palcos atuam na construção de identidades de povos e períodos particulares, também é evidente como eles podem revelar especificidades do mundo do teatro: modelos de atuação, relações estabelecidas com o público, possibilidades do espaço cênico, dentre tantas outras. A partir de diferentes escalas e perspectivas, esta mesa coloca em discussão os tantos fios que articulam a escrita dramatúrgica à sociedade na qual se insere.

 

Integrantes

Henrique Gusmão (UFRJ) - coordenador da mesa

Fabiana Fontana (UFSM)

Luiza Larangeira (UFRJ)

Marcus Fritsch (UNIRIO)

Dia 27/05, das 15 às 18h

Não sou de briga, 1946, W Pinto.jpg

6. Teatro de revista carioca, Companhia Walter Pinto, cena de apoteose. Acervo CEDOC/FUNARTE>\.

conferências

O colóquio teatro e sociedade promoverá conferências com três convidados estrangeiros, lideranças intelectuais cujas obras possuem forte impacto no campo de estudos colocado em discussão pelo evento. As três conferências poderão ser acompanhadas na língua do professor convidado ou em português, através do sistema de tradução simultânea. Conheça, abaixo, os conferencistas convidados:

WhatsApp Image 2021-01-18 at 22.27.16.jp

Jean-Claude Yon é professor da Université de Versailles Saint-Quentin-en-Yvelines (UVSQ) e diretor de Estudos Continuados da Escola Prática de Altos Estudos (EPHE). É especialista em história do teatro no século XIX e história cultural do mesmo período, tendo publicado livros que se tornaram referências básicas para o estudo da área, em especial as biografias de Offenbach (Gallimard, 2000, reedição em 2010) e de Scribe (Librairie Nizet, 2000). Em 2012, publicou Une Histoire du Théâtre à Paris: De la Révolution à la Grande Guerre (Aubier). Além de sua projeção notável na área de estudos, com destaque para suas pesquisas sobre teatro e imprensa, a importância de sua participação reside no fato de suas pesquisas terem alcance estratégico para a história de modelos teatrais franceses que marcam de modo definitivo a história do teatro brasileiro, como a revista, o teatro musical e a dramaturgia cômica.

Dia 24/05, das 10 às 12h

WhatsApp Image 2021-01-18 at 22.27.13.jp

Georges Banu é professor emérito de estudos teatrais na Université Sorbonne Nouvelle e estudioso da construção e desenvolvimento de modelos teatrais que se afirmaram ao longo da história do teatro. É presidente de honra da Association Internationale des Critiques de Théâtre e já foi agraciado, por três vezes, como autor do melhor livro de teatro do ano na França. Alguns de seus livros foram publicados no Brasil, gerando forte impacto na área, como Ryszard Cieslak. Ator-Símbolo dos Anos Sessenta (É realizações, 2015). Em outros tantos estudos publicados na França, Banu analisa mais especificamente os modelos de atuação teatral, tendo se dedicado ao estudo de figuras marcantes neste campo, como Sarah Bernhardt, Constantin Stanislavski, Jerzy Grotowski, Peter Brook, dentre outros. Sua conferência virtual tratará destes complexos modos que articulam a performance dos atores e o mundo no qual eles estão inseridos.

Dia 26/05, das 10 às 12h

WhatsApp Image 2021-01-18 at 22.27.15.jp

Jorge Dubatti, diretor da Escola de Espectadores de Buenos Aires, trará para sua discussão um tema que vem ganhando força no Brasil, mas ainda pouco discutido em profundidade: a participação decisiva do público na formação do fenômeno teatral. Sua vasta produção sobre filosofia teatral traz uma série de novidades teóricas e metodológicas para esta discussão. A carência de pesquisas a respeito da história do público na História do Teatro Brasileiro torna a participação do pesquisador decisiva para o campo de estudos. Seu livro O teatro dos mortos (Sesc, 2016) foi publicado no Brasil e tornou-se rapidamente uma referência para pesquisadores em teatro. Além deste, é autor de diversos outros livros lançados na Argentina, como Teatro y territorialidad (Gedisa, 2020) e Cien años de teatro argentino (Biblos, 2013).

Dia 27/05, das 10 às 12h

bangú - prça da igreja02 - 1981.jpg

7. Amir Haddad e grupo Tá na Rua, Bangú, Praça da Igreja, 1981. Acervo Tania Brandão, RJ .

 
1 - Romeu e Julieta_1228_20120624_1744.j

Romeu e Julieta. Grupo Galpão (MG/ Brasil)/ Concepção e Direção Geral: Gabriel Villela. FIT BH/ Local: Parque Ecológico da Pampulha/ Foto: Guto Muniz/ www.gutomuniz.com.br

 

Este evento tem o apoio da

FAPERJ png.png

Realização

unirio.png
ufrj logo png.png
logo grupo aí.png

Equipe Organizadora

Tania Brandão

Londres Tania.png

Atua na área de História do Teatro, com especialização em História do Teatro Brasileiro, Metodologia da Pesquisa em História do Teatro e Estudos de Crítica Teatral. Professora da Escola de Teatro da UNIRIO desde 1989, orientou dezenas de trabalhos de discentes que hoje são lideranças na área. Desde os anos 1980, exerceu a função de crítica de teatro em vários veículos da imprensa, como a revista Isto É, os jornais Última Hora e O Globo. Coordenou o GT Teatro Brasileiro da ABRACE, desde a sua fundação até 2011. Trabalhou como curadora de festivais de teatro nacionais e internacionais, como o FITEI (Porto), o Festival Latino de Nova Iorque e o Festival de Curitiba. É autora de Teatro dos Sete (Sete Letras, 2002) e Uma empresa e seus segredos – Companhia Maria Della Costa (Perspectiva, 2009). Recentemente, integrou a comissão organizadora do I Seminário de História e Historiografia do Teatro.

IMG_8974.JPG

Henrique Buarque Gusmão

É professor do Instituto de História e do Programa de Pós-Graduação em História Social da UFRJ, onde orienta pesquisas de graduação, mestrado e doutorado na área de História do Teatro. Em 2019, presidiu a comissão organizadora do I Seminário de História e Historiografia do Teatro e, nos últimos anos, coordena o simpósio temático "História e Teatro" da Anpuh. Ator formado pela CAL, Henrique é um dos fundadores do Instituto do Ator, dirigido por Celina Sodré, e membro da companhia Studio Stanislavski. Organizou os livros As formas do romance (Ponteio, 2016) e O palco e o tempo (Gramma, 2019). É autor de A arte romanesca do ator - Constantin Stanislavski na cultura do romance (Hucitec, 2020).

b05374de-7cb7-413f-aa33-1e38870b40c1.JPG

Valmir Aleixo

É doutor em Artes Cênicas pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da UNIRIO, pesquisador-bolsista na Fundação Casa de Rui Barbosa (RJ), onde desenvolve pesquisa no Projeto Revistas como lugar de memórias. Estudou na Escola Técnica de Teatro Martins Pena e é formado pelo Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ, onde concluiu o curso de História. Mestre em História Comparada (PPGHC/UFRJ), pesquisador das práticas teatrais, formas narrativas e exercício crítico, também coordena projetos teatrais na Rioprevidência Cultural, no campo de educação popular. Trabalha temáticas da historiografia do teatro brasileiro, história da crítica teatral, arquivos pessoais, metodologia de pesquisa histórica e história cultural dos impressos. É professor nas redes públicas de ensino da cidade e do estado do Rio de Janeiro.

Débora Oelsner

Artista plástica e desenvolvedora

da identidade visual do site

Felipe Bonato

Designer Gráfico e

desenvolvedor do

site

Roger Xavier

Gerenciador de redes sociais e assistente técnico de transmissões ao vivo

inscreva-se na nossa newsletter